Primeiro navio de guerra japonês da Segunda Guerra Mundial é encontrado

Pesquisadores confirmaram que um destroço descoberto nas Ilhas Salomão no ano passado é o navio de guerra da Marinha Imperial Japonesa Hiei, o primeiro navio de guerra japonês perdido na Segunda Guerra Mundial.

Um naufrágio anteriormente desconhecido foi localizado pela Associação de Honra da Pacific-Remembrance com sede em Tóquio em fevereiro do ano passado, mas a organização não tinha a tecnologia para examinar o campo de destroços, que fica a 3.200 pés, e confirmar a identidade de o navio.

Um levantamento do site foi feito pela Vulcan Inc., organização filantrópica sediada em Seattle, fundada em 1986 por Paul Allen, fundador da Microsoft.

Embarcações submarinas controladas remotamente exploraram o naufrágio no final de janeiro, revelando as armas de 6 polegadas do navio de guerra no campo de detritos, engradados de balas antiaéreas e portinholas que estão sendo gradualmente engolidos pela ferrugem.

As imagens também mostram uma grande quebra no casco que sofreu durante a Primeira Batalha Naval de Guadalcanal em novembro de 1942 com navios de guerra e aeronaves da Marinha dos EUA.

Segundo notícias da  NHK, a emissora nacional do Japão, citou o chefe do Museu Yamato, na cidade portuária de Kure, dizendo que as imagens indicam que cerca de um terço do casco do Hiei parece estar faltando, sugerindo que uma explosão dentro da embarcação revista pode ter finalmente selado seu destino.

“Esta descoberta mostra a tragédia da guerra e eu acredito que isso também serve para lembrar as pessoas que a guerra é real, não uma história”, disse Kazushige Todaka.

O Hiei foi projetado por George Thurston, um renomado arquiteto naval britânico, como o segundo dos quatro cruzadores de batalha da classe japonesa da Marinha do Japão. Colocado no arsenal naval de Yokosuka em 1911 e comissionado quatro anos depois, Hiei era um dos navios de guerra mais fortemente armados do mundo na época.

O navio viu o serviço na China durante a Primeira Guerra Mundial antes de ser desativado. Hiei foi chamado de volta ao serviço quando o Japão se preparou para a guerra em 1937 e sofreu modificações para se adequar à guerra.

Os Hiei escoltaram os porta-aviões japoneses que realizaram o ataque a Pearl Harbor em 7 de dezembro de 1941, trazendo os EUA para o conflito, e viram a ação na Batalha de Midway seis meses depois.

O Assassinato de Gianni Versace, entra no catálogo da Netflix

Um cenário que parece deslumbrante e repleto de opulência é por onde vive o retratado Gianni Versace na série “O Assassinato de Gianni Versace”. A segunda temporada de American Crime Story deixa de lado todas as reservas da vida do famoso estilista italiano e provê um holofote bem forte para a história de sua morte.

Na cidade de Miami, o jovem Andrew Cunanan está concentrado em suas emoções perversas diante do assassinato que abalou o mundo da moda. A produção da série foi da FX que a disponibilizou na Netflix, antes transmitida pela TV a cabo.

O crime em Miami de Cunanan no ano de 2017, trouxe também notícias de que existiam mais outras suspeitas de assassinatos, sendo quatro. O assassinato de um dos ícones da moda mundial deixa muitas pessoas curiosas sobre o fato, despertando investigações não somente no mundo policial.

Ganhador de nada mais de nada menos que um Globo de Ouro por sua atuação como Andrew Cunanan, Darren Criss dá um tom de suspense, inteligência e disposição para o mal em um jovem que é atraído pelo glamour e também por assassinatos.

Além do bom trabalho de Darren, a simpatia também provoca mais interesse do público que se vê em uma história recheada da mentalidade doentia do criminoso. O crime é a âncora da série, mas são as emoções e as ações de Cunanan que são mostradas na história com mais destaque.

São tantas as incertezas que a série deixa, que o espectador não sabe ao certo o que de fato aconteceu por causa das muitas mentiras de Cunanan.

Os cenários não têm nenhuma economia no quesito luxo. A época em que a história é retratada se passa nos anos 90. O ambiente em volta do estilista Gianni transmite certo toque de um mundo dos sonhos.

Edgar Ramírez interpreta o estilista de uma maneira bem interessante, o personagem passa a ser cada vez mais entendido no decorrer da história. Outra atuação de destaque é de Penélope Cruz como a irmã de Gianni, Donatella Versace, a atriz incorpora o glamour e a responsabilidade de assumir o negócio de sucesso, diante de uma cerca de investigações por causa da tragédia na vida do amado irmão.

Pesquisa científica aponta nova causa para o fato de alguns indivíduos não engordarem com facilidade

Um estudo feito pelas universidades de Bristol e Cambridge, ambas britânicas, promete revolucionar o modo como se encara a questão do ganho de peso. Publicada pela PLOS Genetics, a pesquisa apurou que o fator genético predomina sobre as demais causas no que se refere à manutenção do peso corporal. Assim sendo, o modo como alguém se alimenta acabaria não tendo grande influência para a vida de determinadas pessoas.

O método empregado pelos cientistas britânicos consistiu na comparação do DNA de um total de 1,6 mil voluntários. Vale ressaltar que essas pessoas possuíam perfis considerados magros e saudáveis, ou seja, foram escolhidas com base no IMC (Índice de Massa Corpórea) baixo. Outros 2 mil participantes apresentavam obesidade e o último grupo era formado por pessoas com pesos normais. Hábitos de vida também foram considerados pela equipe de pesquisadores, conforme o Portal de Notícias Terra.

Dentre as principais descobertas, aspectos de ordem genética foram observados no que se refere ao fato de muitos indivíduos serem magros. Características desse tipo foram deixadas de lado nos últimos tempos, uma vez que os aspectos genéticos relacionados ao peso corporal receberam maior atenção no que tange às possíveis alterações sofridas.

Os cientistas britânicos conseguiram apurar que os indivíduos obesos apresentavam cadeia genética que demonstrava propensão de maiores ligações entre genes causadores de obesidade. Em contrapartida, aqueles considerados magros não possuíam tantos elos entre tais genes, o que explicaria fato de manterem uma rotina alimentar calórica e ainda assim continuaram sem engordar expressivamente.

Para Sadaf Farooqi, cientista que representa a Universidade de Cambridge, a pesquisa permite que se conclua que a menor carga genética para genes ligados à obesidade é responsável em grande parte dos casos de pessoas que não engordam. Segundo o pesquisador, essa influência seria muito maior do que a exercida pela maneira como essas pessoas costumam se alimentar.

Farooqi salienta que a sociedade não deveria fazer cobranças em relação ao peso de cada pessoa, uma vez que isso pode não ser algo tão fácil de ser controlado, dependendo principalmente da carga genética que se possui. Ele também esclarece que é de grande valia manter hábitos saudáveis.

Saiba mais:https://www.terra.com.br/noticias/ciencia/magro-de-ruim-cientistas-descobrem-o-segredo-das-pessoas-que-nunca-engordam,b0a050996965465a096111f09b194f99viauovye.html

Gestão vs. Liderança

Habilidades de gestão e liderança são muitas vezes consideradas como uma e a mesma para muitas empresas. Embora os dois compartilhem inerentemente muitas características semelhantes, eles diferem porque nem todos os gerentes são líderes, mas todos os líderes são gerentes. São qualidades complementares inexoravelmente ligadas entre si, e qualquer tentativa de extração de uma da outra é impossível. Enquanto o gerente existe para planejar, organizar e coordenar, um líder serve para inspirar e motivar. Militarmente falando, um gerente é o general do campo de batalha, enquanto o líder é o comandante-chefe.

Estabelecer um ambiente criativo exige mais do que apenas liberar seus funcionários e dar-lhes liberdade total na esperança de que eles encontrem algo valioso. Como em qualquer outro sistema, o processo de criatividade exige que a estrutura adequada funcione de maneira eficaz, o que também permite que a administração avalie a lucratividade dos resultados.

Abordagens populares para promover a inovação através da criatividade incluem:

Crie um ambiente estimulante. Escritórios que incluem objetos estimulantes, como periódicos, arte, jogos e outros itens – alguns dos quais podem nem estar diretamente relacionados ao seu negócio – servem como fontes de inspiração. Além disso, estruturar a área de trabalho removendo as barreiras físicas entre as pessoas melhorará a comunicação e promoverá a interação criativa.

Recompense os esforços através do reforço psicológico positivo. Incentive seus funcionários a assumir riscos, recompensando-os por ideias criativas e não penalizando-os quando eles falharem. Ao fazê-lo, você permitirá que as pessoas participem mais prontamente de tarefas que ampliam seu potencial (e o da sua organização), discutindo antecipadamente quaisquer riscos previsíveis e criando o plano de contingência necessário. Incentive os funcionários de todos os níveis a contribuírem com sugestões para melhorar as operações comerciais atuais.

Promover diferentes pontos de vista e negócios através de perspectivas externas. A inovação pode surgir a partir de uma revisão de como seus clientes visualizam e usam seus produtos e serviços. Solicitar suas opiniões pode fornecer informações valiosas sobre áreas potenciais para melhoria, bem como áreas em que você está obtendo sucesso (conhecimento essencial para se posicionar contra concorrentes). Outras perspectivas podem incluir: fornecedores, palestrantes de outras indústrias ou consumidores que usam produtos ou serviços de um concorrente.

Cientistas descobrem regiões do cérebro associadas ao comportamento impulsivo

Um novo estudo desenvolvido por pesquisadores da Coreia do Sul e de Cingapura detalha o caminho cerebral que pode ser a causa dos comportamentos impulsivos. Publicado pela revista “Proceedings”, um importante canal de notícias da “Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos”, a pesquisa contou com a liderança de George Augustine, que também é professor da Universidade Tecnológica de Nanuang, localizada em Cingapura.

De acordo com os dados publicados, os comportamentos impulsivos são desencadeados assim que a dopamina é transmitida pelo cérebro a uma região específica. Para chegar a esses dados, os pesquisadores utilizaram ratos em uma tentativa de mapear as regiões do cérebro responsáveis pelo comportamento impulsivo.

Os ratos utilizados para o estudo não tinham os receptores D2, que são os receptores da dopamina. Por isso, eles eram incapazes de perceber os sinais da dopamina no cérebro quando esse hormônio foi liberado. Quando estimulados artificialmente com a dopamina, os ratos passaram a captar o sinal através da amígdala cerebral, o que desencadeou o comportamento impulsivo.

A amígdala cerebral em si já era conhecida pelos pesquisadores como uma região de percepção da dopamina. No entanto, essa pequena estrutura cerebral transmitiu a dopamina para neurônios que conectaram esse hormônio ao BNST, que é a sigla em inglês para “leito nuclear da estria terminal”. Essa região cerebral já é associada a respostas emocionais e comportamentais ligadas ao estresse. Mas a região nunca tinha sido associada a comportamentos impulsivos antes.

De acordo com Augustine, essa é a primeira vez que um estudo relaciona o comportamento impulsivo com a região BNST do cérebro. “O estudo mostra que a dopamina é apenas transmitida pela amígdala, sendo assim, o desencadeamento do comportamento impulsivo vai além dessa região. Além disso, mostramos nesse estudo que a dopamina é a responsável por desencadear os reflexos impulsivos em indivíduos saudáveis”, disse Augustine.

O Instituto de Saúde Mental de Cingapura que não fez parte do estudo revelou sobre o assunto: “A descoberta feita pelos pesquisadores poderá ajudar na introdução de medicamentos para controlar os receptores de dopamina localizados na amígdala cerebral e na região BNST. Dessa forma, poderemos reduzir transtornos sociais, comportamentos impulsivos e outras condições psiquiátricas relacionadas com a impulsividade”.

Missão empreendedora

A missão da liderança é sobre transformação. O objetivo é adaptar-se às mudanças das circunstâncias e mudar a organização. A liderança não está interessada no status quo, mas em alcançar algo novo – trabalhando para obter maior sucesso e reconhecimento. A ênfase não está no lucro ou na produtividade, mas no empoderamento e na inovação. Não quer dizer que o lucro não seja importante, mas é mais um subproduto após o sucesso. A visão em si é mais sobre valores e abordagens específicas para o trabalho e a indústria. A visão é definida com os valores pessoais do líder em mente, com os valores em ressonância com os valores da organização.

Como a liderança é orientada para as pessoas em sua abordagem , a missão é mais voltada para as pessoas também. O foco é ajudar as pessoas a se ajustarem às mudanças de circunstâncias e capacitá-las para um melhor desempenho nos negócios. Na liderança, a máquina – ou os processos – não é a chave para o sucesso, mas as pessoas que fazem a máquina funcionar. Portanto, a liderança vê que as funções da máquina sempre podem ser alteradas de acordo com as habilidades das pessoas. Em termos de contratação de subordinados, um líder não está necessariamente focado nas habilidades técnicas e na capacidade de executar as tarefas, mas na abordagem da pessoa ao trabalho e se está disposta a trabalhar em prol da missão.

A liderança está interessada nas idéias e valores que os subordinados podem fornecer para a equipe, e não apenas em sua eficácia em fazer as coisas. Como a missão está focada em transformar e mudar as coisas, a liderança está sempre à procura de novas idéias. Os subordinados são vistos para fornecer valor para a equipe, não apenas através do trabalho, mas também através de sua capacidade de pensar de forma diferente.

A posição de liderança é uma posição que exige muita habilidade técnica, mas também pessoal. A capacidade do líder de influenciar e capacitar as pessoas está no centro da posição. Não obstante, um líder também precisa ser capaz de apresentar ideias transformadoras para garantir que os seguidores o procurem.